Follow me on Twitter RSS FEED

Dia 28 de Junho: A tristeza pelo "disparo perdido" e a pergunta de Si Fu.

Posted in
(Uma de minhas fotos favoritas com Si Fu. Mangaratiba.RJ-2013)

Uma das minhas fotos favoritas, que é a de um Domingo em Mangaratiba com Si Fu comendo pastéis no restaurante do pai do irmão Kung Fu Bruno Bernardo, é também uma foto que marca uma conversa simples e inesquecível para mim.
Voltávamos para casa por um caminho que eu não conhecia, era o ano de 2013, e após nos deliciarmos com a comida feita pelo Bruno, que naqueles tempos trabalhava no restaurante, entrei em assuntos de âmbito pessoal com Si Fu. Teria dito ele: "...Sabe o que eu acho? Que às vezes você prepara demais..." - Concordei mentalmente com ele que prosseguiu: "... Acho que você não tem ideia da quantidade de oportunidades que você já perdeu por querer ter uma certeza de que está tudo preparado para só depois tomar uma decisão..." - E então ele finalizou- "...Às vezes a gente precisa agir Thiago..."
Realmente o contexto para ele ter me dito isso, aqui se faz irrelevante, porque essas palavras são bem abrangentes.
(Si Fu no local do "Geuk Jong" no Instituto Moy Yat neste dia 28.06)

Neste dia 28 de Junho de 2019, recebi uma notícia inesperada e que me deixou muito triste, pois afetava diretamente uma pessoa muito importante para mim.
 Infelizmente, não posso fazer muita coisa à respeito.
 E em meio à todos os acontecimentos deste dia tão marcante da inauguração do Instituto Moy Yat, me peguei pensando em minha impotência e no quanto gostaria de me fazer presente nesse momento. Pelo celular, tentei alguns movimentos, mas todos infinitamente abaixo do que gostaria de fazer de verdade. Então, nesse início de tarde, encostado num dos pilares do "Geuk Jong", lembrei das palavras de Si Fu no dia do pastel que narrei acima...
(Somente em 2009 após dois anos de prática, que descobri nesse momento da foto, que para o bom disparo do "Luk Din Bun Gwaan". A configuração inicial deve contemplar os braços esticados)

Quando entendi melhor o bastão "rabo-de-rato"(Si Mei Gwaan) usado no Domínio Luk Din Bun Gwaan. Tomei consciência de que me era possível perceber que na vida, às vezes só temos uma chance. Sim! Porque se você dispara e erra o alvo, seu adversário poderá encurtar a distância antes que você a recupere a ponto de disparar novamente. E assim, você "morre".
Venho lidando desde 2017, com o fato não só de ter errado o disparo da minha vida, mas por ter tido inúmeras chances de disparar outras vezes.
Nesses episódios, posso dizer que minha "Burrice" foi maior que minha "sorte". - "...Às vezes você é meio burrinho Thiago (gargalhada)..." - Disse-me Si Fu rindo bastante no final dos anos 2000. - "Sua capacidade de enxergar as coisas por uma perspectiva histórica, é sua maior qualidade e também sua maior fonte de sofrimento" - Disse de forma séria e assertiva Si Fu na Terça passada.
(O sorriso era para Si Fu que deu a ideia dessa foto.Foi ele 
quem tirou morrendo de rir, numa tarde em Zurich, Suiça)

E para alguém que gosta de pisar no acelerador para resolver as coisa como eu, ficar ali parado me apoiando naquele "Geuk Jong" sem poder fazer nada por alguém tão importante, foi desvastador. Naquele momento, pensei nos inúmeros "disparos perdidos" e pensei em voz alta falando de mim mesmo: "É muito burro..."
Em seguida porém, lembrei-me de uma pergunta feita por Si Fu à mim, durante almoço com a presença de Si Mo e Carmen Maris:
Si Fu: - Thiago, para que serve o "passado"?
Eu: - Para aprender com ele? - Respondi vacilante.
Si Fu: - Para nada! - Falou ele de forma veemente em sua réplica - O passado não serve pra nada. 

Palavras duras para alguém nostálgico como eu. E já que o passado não serve para nada, talvez seja simplesmente o caso de entender, que às vezes simplesmente algumas ruas se fecham para nós. Por burrice ou não.



O discípulo de número 02 do Mestre Senior Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com

MESTRE LEONARDO QUEBRA MEU NARIZ.

Posted in
(Com Si Fu e Si Hing no final do mesmo ano em Atibaia,SP)

Faltava pouco para soltarem faíscas do "Cheung Kiu Sau" naquela manhã explosiva de alguma Sexta de 2007! Era a última prática antes de sairmos para almoçar! Eu havia matado aula na faculdade mais uma vez, porque a manhã de Sexta naqueles tempos era uma das mais divertidas: Diego Guadelupe, Carlos Reis, Leonardo Reis e eu praticando "Mui Fa Jong". E no almoço, as acolhedoras e divertidas companhias de Paula Gama e Phelipe Pita. Tudo isso com Si Fu presente!
Aquela manhã porém, terminaria um tanto quanto diferente, quando o braço do Si Hing Leo escorregou no suor e veio em meu nariz como um míssel tomahawk (BANG!).
Me encaminhei para o banheiro da outra sala para ver o estrago, e Paula me seguia dizendo que precisávamos correr para o médico. Eu a repreendia dizendo que não era nada demais. Isso até mexer em meu nariz e sentir ele mole em meus dedos polegar e indicador. Era como se segurasse um caramujo.
(Com Si Hing em Atibaia,SP)

Paula me levou até a emergência de um hospital próximo chamado "Clinica São Bernardo". Eu queria resolver logo, pois não queria que aquilo estragasse o almoço. Afinal, eu esperava ansioso a semana toda pelo nosso almoço em Família!
Por alguma razão que não me lembro, o médico nos liberou. Tudo certo!
Si Fu que aguardava do lado de fora, me levou junto de Si Suk Carlos Reis(que também estava em seu carro) para o Barra Garden, onde iríamos almoçar. Si Fu disse: "Deixa que eu pago o almoço hoje!" - Protestei dizendo que não precisava. Si Fu então completou: "Sempre que você quebrar o nariz eu pago o almoço!"- Todos riram.
Durante o almoço, gotas de sangue começaram a pingar grandes do meu nariz sobre a mesa. Fui levado até o banheiro pelo Si Suk Carlos e depois para outra clínica. Lá, me disseram que eu teria que operar... Si Hing Leo estava bem preocupado, mas Si Fu o tranquilizava pelo telefone.
(Montagem que minha namorada,na época fez, usando os personagens do meu mangá favorito junto de Lobo Solitário chamado 'SLAMDUNK'. Ela me enviou quando cheguei do hospital e o pai dela me deixou em casa.)

Quando contei para minha namorada da época, ela pediu ajuda ao seu pai, que era coronel dos bombeiros. Ele me levou no dia seguinte até o HCB onde um médico dos bombeiros com dois instrumentos que pareciam palitos de picolé, só que de ferro, com um enfiado em cada orifício do nariz, os colocou no lugar.
(Na celebração do aniversário do Si Hing em 2018)

Eu e Si Hing Leonardo ainda estávamos nos conhecendo, e lembro que ele me escreveu um e-mail perguntando como eu estava. Uma pena que ficou em alguma conta do yahoo. Ele me perguntou como me sentia depois de colocar o nariz no lugar (Pois havia enrijecido torto|) e eu disse à ele que como eu era "uma mistura de Rambo e Wolverine, tudo tinha ficado bem". Ele respondeu aquele e-mail com uma risada.

(À caminho de Brasília com Si Hing em 2017)

Sobre este episódio, Si Fu teria dito ao Si Hing: "...Pior que eu senti que já era hora de parar,sabe? Senti que a energia estava muito pesada. Quando acabei de pensar foi quando aconteceu." - Em outra oportunidade, Si Fu me disse: "Thiago, o que é importante você saber, é que foi um acidente...Mas lembra também, que apesar de nós não nos machucarmos muito durante a prática, este tipo de coisa pode acontecer... Esse é nosso métier..."


O discipilo de número 02 do Mestre Senior Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvT@Gmail.com

VIAJANDO COMO UM CLÃ PELA 1º VEZ: PAGANDO O PREÇO DA INEXPERIÊNCIA

Posted in
(Foto emblemática do primeiro Clã das Famílias da América Latina)

Viajei inúmeras vezes com Si Fu para a Casa dos Discípulos, mas em 2016, viajei com ele e com meu To Dai Pedro Freire. Aquela viagem demonstrou claramente meu despreparo como um Si Fu que havia acabado de abrir sua Família apenas três meses antes. Não imaginava nem por um momento, o quão diferente era atuar como "Si Hing" de quando se atua como "Si Fu". E minha inexperiência nisso custou  caro.
(Si Fu com seu cavanhaque que a Julia não gostava e Rodrigo no café de Domingo)

Meu irmão Kung Fu Rodrigo Moreira também esteve nessa viagem, e eu acredito que muito do que saiu errado, se deve exatamente à essa minha falta de consciência daquela configuração da comitiva. Deixei muitas coisas para serem organizadas por Pedro e Rodrigo, como se os dois fossem meus To Dai, o que é claro, não fiz por mal, ainda que isso não mude o resultado final em várias situações.
Si Fu se desdobrou muito para me preservar, tendo em vista que claramente, muitas das "trapalhadas" que ocorreram (algumas podendo ter desdobramentos sérios), foram pela minha falha de avaliação de cenário. Como meu To Dai estava presente, muitas das broncas foram concentradas no Rodrigo.
(Com Rodrigo e Si Fu antes da Cerimônia começar)

Pensando com mais calma sobre essa viagem em várias oportunidades, cheguei à conclusão da situação que deixei Si Fu: Ele não tinha muita proximidade com Pedro, e acredito que por isso e para me respeitar, ele o poupou em vários momentos. E como disse acima, vi claramente a sua conduta de me preservar. Afinal, era uma situação nova para todos nós.
Rodrigo e Pedro que estavam responsáveis por avisar sobre a estrada a tomar para Salto(onde ocorreria a reunião de Mestres Seniores) esqueceram e erramos o caminho. Estávamos atrasados e Si Fu poderia perder a reunião.
Eu havia lembrado, mas por uma falta de entendimento das relações no carro, e do esquecimento de que o provimento de "Vida-Kung Fu" não pode chegar ao ponto de afetar o Si Fu, acabei sendo omisso.
(Jantar com Pedrinho e Rodrigo em Salto)

Não lembro a hora da reunião, talvez fosse as 17h, porque sei que chegamos faltando 20 minutos para começar. Ao chegarmos ao hotel, uma nova surpresa: O quarto tinha sido reservado para um dia antes. Isso fez com que eu tivesse que realizar uma nova reserva e Si Fu não podia subir.
Quando finalmente entramos no carro após deixarmos as malas e tomarmos banho. O grupo errou o trajeto no waze novamente e voltamos para a auto-estrada, faltando apenas cinco muntos para a reunião.
Chegamos à casa do Si Gung com tudo já escuro, e Si Fu com maestria, mesmo após chamar à atenção de Rodrigo com veemência, mantinha a atenção cuidadosa à ele, para trazer a ele a consciência após a experiência. Nestes momentos, mais uma vez Si Fu poupava a mim e ao Pedro. Ainda que, por algumas vezes, de forma infinitamente mais branda, tenha chamado a atenção de Pedro também.
(Lembrança do aniversário da Si Taai) 

Passaríamos três dias viajando: No primeiro, haveria uma reunião de Mestres Seniores, no segundo, Titulação de novos Mestres Seniores e o aniversário da Si Taai. E foi exatamente no Sábado do aniversário, o momento mais angustiante da viagem...
Quando tiramos essa foto oficial ao final do aniversário da Si Taai, mal sabíamos onde iríamos parar alguns minutos depois. Eu não havia monitorado a reserva do hotel de Sábado, e ao chegarmos, tratava-se de um hotel duas estrelas numa região perigosa. Estávamos com um carro que Si Fu tinha (um SUV) que chamava bastante atenção. Vestíamos terno e estávamos com malas.
No balcão, haviam duas GP´s e uns caras estranhos. Quando chegamos no quarto, lembro da "bronca homérica" de Si Fu. Desta vez, não lhe foi possível me preservar, todos os limites haviam sido quebrados, ainda que ele tenha amenizado muito para o meu lado.
(Si Gung e To Sun)

Resolvi que alugaria um novo quarto apenas para Si Fu. No dia seguinte ele me diria: "Pereira, se fosse eu no seu lugar, impediria meu Si Fu de dormir num lugar assim. Tomaria a frente, e chamaria ele para ir embora" - Aquelas palavras desceram doídas.
(Minutos antes de embarcar em meu primeiro voo internacional. Com meu medo de altura, 
meu coração parecia o de um coelho. Em minha cabeça, os mapas de Paris e Barcelona).

Apenas um ano depois, não estávamos nos dirigindo até São Paulo, mas sim para a Europa. Naqueles dias de grandes aventuras pela França e Espanha, tinha toda a viagem gravada na cabeça. E quando Tati Schneider disse que deveríamos virar à direita num dos inúmeros túneis na estaçao do Louvre e eu disse "esquerda" com garra e convicção, mesmo com o tempo para pegar o voo para Madrid "em cima" e Si Fu me perguntando se eu tinha certeza, eu acertei!
Ainda estava num processo de amadurecimento de diferenciar a atuação de um "Si Hing" para a de um "Si Fu", mas havia determinado que nunca mais deixaria Si Fu passar algum sufoco como naqueles confusos dias da viagem para SP de 2016.
Sobre Rodrigo e Pedrinho, espero que tenham levado algo também para suas vidas... E espero num futuro poder viajar novamente com Rodrigo para compensar meus furos como Si Hing.


O discípulo de número 02 do Mestre Senior Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com

RECEBENDO O "BIU JI CERTIFICATION": QUAL BIU JI VOCÊ VAI FAZER?

Posted in
Em Janeiro de 2007, conversava com Si Fu que havia decidido me afastar da Família Kung Fu. Si Fu me ouviu atentamente, disse que estávamos num processo de "subida", mas que respeitaria minha decisão. Saí pela porta mesmo assim só para retornar dois dias depois. Por isso, costumo dizer que minha "sorte" é maior do que qualquer obstáculo que surja em meu caminho ou que eu mesmo coloque. Em outros casos, digo apenas que "minha sorte é maior do que minha burrice".

Naquele mesmo ano, ingressei na Família Moy Jo Lei Ou, acessei o Domínio Luk Dim Bun Gwaan, fiz meu "Baai Si", dei minha primeira palestra/workshop aberta ao público no MAM, representei Si Fu em uma viagem pela primeira vez, e comecei a coordenar práticas coletivas na então Unidade Méier e a assistir à Si Suk Ursula em outros dias. Tudo isso, graças a relação com Si Fu, que se estabeleceu com muita força naquele ano quando ingressei na Família Moy Jo Lei Ou.
E naquele mesmo ano, uma conquista ultra-especial: Consegui meu "Biu Ji Certification"! (FOTO)
(Eu, Si Fu, Paula e Si Hing. Pamplona foi quem tirou a foto)

Soube que o aniversário da Si Taai Po Helen Moy seria no Brasil pela primeira vez, e resolvi que estaria presente. Algo havia mudado dentro de mim naquele ano, e acredito que foi no ano de 2007, que comecei a me enxergar como um praticante de Kung Fu e não apenas como um "lutador".
Aquela inesquecível comitiva foi formada por Si Fu, pelo Si Hing Leo, por mim, pela Paula Gama e pelo Claudio Pamplona.
Porém, algo além do aniversário fez meu coração arder : A entrega do "Biu Ji Certification"! Seria a primeira desde 2003, e eu não poderia perdê-la!
Antes que pudesse chegar até a mesa onde estavam Si Gung(FOTO), Si Taai Po Helen Moy , Si Baak Gung e Si Baak Gung Lester, precisei conversar muito com o Si Fu para que recebesse uma autorização excepcional. Isso aconteceu porque eu não tinha cumprido os requisitos do Programa Moy Yat Ving Tsun de Inteligência Marcial para realizar aquela Cerimônia. Si Fu conversou com Si Gung e sua exigência foi que eu me comprometesse a realizar o instrumento faltante. Prometi e cumpri, mas essa é uma outra história. Antes disso, mais um problema: Como pagar?
Si Fu também intercedeu por mim junto ao Si Gung, de forma que eu pudesse parcelar o acerto da taxa em exatas 27 parcelas! Assim, minutos antes de começar a executar o "Biu Ji" diante de autoridades da Linhagem Moy Yat, o que incluia Si Fu, que me observava atentamente. Preenchi vinte e sete cheques! Nunca havia passado um cheque em toda a minha vida e aquela era a primeira vez logo com 27 folhas!
O salão estava lotado!Sentava ao lado de alguns Si Suk como: Maria Cristina, Celso Grande, Mirta Atlas e Rogerio Yagi. Porém, não tinha muita(ou nenhuma) proximidade com eles.
Si Hing Leo tirava as fotos e eu sentia meu coração pulsar com força. Eu  e Gabriel Barbosa, da Família Moy Na Tan, éramos os únicos da Décima Segunda Geração realizando aquela Cerimônia, e eu estava bem nervoso. Nós dois ficamos sendo os únicos até 2017.
A presença de Si Fu sempre me trazia tranquilidade nos momentos difíceis, mas ali só de sentir seu olhar, a pressão aumentava ainda mais. E antes de começarmos, passando por mim ele teria perguntado algo como: "Não está nervoso né? Porque você está representando toda a Família Moy Jo Lei Ou."
(Com Si Fu no quarto do hotel em que ficamos hospedados em Brasilia-DF)

Apenas em 2017, dez anos depois, outra Cerimônia de Biu Ji Certification ocorreria. Lembro de ter pertubado bastante o Si Hing Leonardo para que fizesse e mesmo assim ele preferiu não fazer. Mesmo quando a Cerimônia havia acabado, voltando juntos no banco da frente da van, continuava repreendendo ele dizendo que havia cometido um erro(Risos). Pacientemente ele se justificava. Si Fu que estava no banco de trás, apesar de estar conversando com a Si Suk Ursula, ao chegar no quarto do hotel(foto) perguntou a ele a razão de não ter feito.
Naquela oportunidade, Si Fu também explicou a origem do "Biu Ji Certification" e sua importância. Nada daquilo havia passado na minha cabeça quando realizei a Cerimônia em 2007.
Dez anos antes, eu apenas intui que não deveria deixar de realizar aquela Cerimônia, e nunca me arrependi. Aquela manhã de Domingo de Dezembro de 2007, ficaria para sempre gravada em meu coração! Havia recebido acesso ao "Biu Ji" em 2002 aos 17 anos, mas ali... Ali era tão diferente! Si Fu havia me perguntado que "Biu Ji" eu demonstraria: O "Meu" ou um "seguro" para a Cerimônia.
Eu não tive dúvidas! Apesar de sentir todo o peso do mundo em minhas costas, pois sabia que Si Fu me olhava, escolhi fazer "o meu Biu Ji": Explosivo, determinado e furioso! (FOTO|).
Eu simplesmente apaguei todos ao meu redor só deixando Si Fu. Acabei o "Biu Ji" tão rápido, que os outros ainda estavam na segunda parte. Fiquei ali em pé, com cara de bobo esperando os demais...(Risos). Lembro de ter certeza de que Si Fu me chamaria a atenção ao final. Mais uma vez eu fiz do meu jeito e terminava sozinho com cara de bobo.
Bom...Posso dizer que foram minutos que pareceram uma eternidade...
(Si Fu me pede calma para prestar atenção aos detalhes 
da primeira parte durante "Evento de Integração" em 2004)

Quase doze anos depois, cheguei à conclusão de que deveria ter refletido mais sobre quando Si Fu perguntou "Qual 'Biu Ji' iria fazer". Pois aprendi, que o "nosso jeito" não pode estar acima da circunstância. Caso contrário, ficamos sozinhos com cara de bobo. Ainda tento aplicar isso em todos os âmbitos da minha vida.


O discípulo número 02 do Mestre Senior Julio Camacho,
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com